“Diante de um time completo, cheio de criatividade, espontaneidade e companheirismo, é possível ir muito mais longe do que se imagina.”

Quem conhece o mundo dos podcasts entende o quanto a galera do backstage rala e se esforça. Toda a equipe é estruturada para entregar o “enxoval” completo e pronto ao cliente, com o objetivo de oferecer resultados positivos, traçando um caminho cada vez mais facilitador e, também, mostrando quadros cada vez mais crescentes e produtivos.

            Depois de uma longa caminhada, é possível perceber que muitos podcasters têm vontades reais, mas poucos sabem como direcioná-las e/ou concretizá-las. Para que os sonhos possam ganhar vida, algumas ideias principais desafiam o cotidiano da podosfera.

            E aqui, neste artigo, vamos discutir brevemente alguns erros relacionados à parte técnica da produção de um podcast e como cada detalhe pode impactar na continuidade desse projeto.

A primeira e clássica falha que facilmente encontramos nesse universo pertence à falta de cuidado com o ambiente em que o áudio será gravado. Por exemplo, o banheiro, lugar onde possui espelhos, vidro de box, paredes reflexivas, com superfícies nas quais o som “bate e volta”, gerando ambiência. A não preocupação com esse cenário no qual as gravações acontecem, provocam diversas consequências. Outro ponto importante relacionado ao áudio é a escolha do microfone. Muitos permanecem com a ideia de que um microfone especialmente caro e com um visual “high tech” seria bem visto aos olhos do mercado e, ainda, o grande diferencial para um resultado de sucesso. Através de experiências no dia a dia e conhecimentos teóricos e práticos, pode-se provar que essa ideia é ultrapassada. Na verdade, com a transformação digital e a tecnologia avançada, é possível fazer conteúdos de qualidade simplesmente com um celular de qualidade.

O problema é que a maioria dos podcasters compram o material de áudio sem entender suas funções e características e, com isso, esquecem que essas funcionalidades precisam de cuidado redobrado do ambiente e, também, posicionamentos específicos. Distinguir e entender as técnicas básicas é algo imprescindível para que seu áudio não morra. Infelizmente, para esse assunto, ainda não existe receita de bolo. Aquele microfone bom para uns, pode não ser o ideal para você.

            Outro item esquecido na lista dos podcasters é a importância de se ter um planejamento. Por mais que aquela pessoa não faça um roteiro, é fundamental uma preparação mínima a respeito dos tópicos que serão abordados em cada episódio, para que o resultado não fique desconexo, prolixo ou que haja sobreposição de conteúdo com outros episódios. A utilização de um formato ou, quem sabe, uma pauta ou mini roteiro, é muito importante para que ideias não sejam perdidas e esquecidas. É como definir uma estrutura ao seu podcast. Não estamos falando de seguir um padrão, mas determinar o contorno desejado para a sua fala. É preciso dividir e elaborar blocos para que uma linha do tempo seja seguida como, por exemplo, contar histórias, desenvolver entrevistas. É preciso um padrão que facilite e traga familiaridade entre você e seu o podcast; entre o seu podcast e o ouvinte.  

            Cabe um destaque, ainda em relação às descrições dos episódios, que aparecem dentro das plataformas. Na hora de desenvolvê-las, um erro comum é entregar “de bandeja” tudo o que o episódio apresenta. Isso não aproxima as pessoas, muito pelo contrário, isso pode fazer com que a audiência perca o interesse em ouvir o conteúdo por entender que não irá gerar mais valor do que o que está apresentado ali.

A divulgação para as redes sociais também gera inúmeros equívocos em função da abordagem adotada. O ponto básico é instigar o público a ouvir o episódio sem entregar todo o conteúdo de uma vez no feed do Instagram, por exemplo. Dê o gostinho, mas faça o público entender que o conteúdo só será entregue na íntegra se ele acessar a plataforma de áudio. Senão, tal divulgação perde o sentido.

Muitos escorregam, também, na hora de selecionar os trechos para a criação de reels, nuggets e stories. Ao selecionar uma parte do conteúdo, não se pode optar por qualquer fala aleatória. Para causar impacto e despertar o interesse, o conteúdo necessita ter início, meio e fim. Ainda que o fim não seja inteiramente apresentando naquele trecho, a legenda no feed pode ajudar a complementar, a fazer sentido e a instigar ao episódio. É essencial pensar estrategicamente estas publicações e entender qual o melhor período de divulgação e os recursos das redes sociais de que mais engajam o público, de acordo com a característica de cada podcast, cada tema, cada público.

Essas são questões que permeiam o dia a dia da produção de um podcast e nunca deixarão de existir. O importante é ter a consciência de que dá pra fazer e dá pra fazer bem feito. É preciso auxilio, mentorias e foco para que possa experimentar um progresso continuo, impactante, libertador e autossuficiente para transformar vidas por meio da voz. Na presença de um time formado e especializado, é possível receber e acompanhar análises de dados e indicadores, entender de onde e quando extrair os melhores insights e quais assuntos geram mais interesse. Diante de um time completo, cheio de criatividade, espontaneidade e companheirismo, é possível ir muito mais longe do que se imagina.

A Voz e Conteúdo é uma incubadora de conteúdos multiplataforma, criada com o propósito de amplificar vozes e transformar vidas por meio da voz e do conteúdo.

Deixe uma resposta